12 de novembro de 2012 - 09:53

Parlamento grego aprova Orçamento austero para 2013

O Parlamento da Grécia aprovou na noite deste domingo o Orçamento do país para 2013. O plano inclui os cortes drásticos que pretendem balancear as contas do país, seguindo as exigências da chamada tróika. Só assim o país poderá receber a próxima parcela do resgate financeiro e evitar a falência.

Os parlamentares que integram a coalizão no poder –formada pelo partido conservador Nova Democracia e pelos centro-esquerdistas Pasok e Dimar– tiveram a proposta aprovada com larga maioria.

Na quarta-feira (7), a aprovação de um pacote de medidas de austeridade e reformas trabalhistas, também necessário para a liberação de ajuda financeira, teve apenas quatro votos de vantagem.

Milhares de pessoas acompanharam a votação deste domingo em frente ao Parlamento, na Praça Sintagma. O protesto foi convocado pelos principais sindicatos do país e partidos esquerdistas da oposição.

Na tentativa de balancear as contas, o governo grego cortará € 9,5 bilhões no Orçamento de 2013, que serão descontados da previdência, da folha de pagamentos pública, da administração, da saúde e das prestações sociais, além do aumento de alguns impostos e taxas.

O vice-ministro das Finanças, Jristos Staikuras, anunciou no sábado (10) que o governo conseguiu reduzir o Orçamento até € 12,3 bilhões durante os primeiros dez meses de 2012, quase a metade do que foi gasto no mesmo período de 2011 (€ 21,1 bilhões). “Demos mais um passo em direção ao objetivo nacional: conseguir superávit primário em 2013”, afirmou.

FUTURO

O resultado da votação será avaliado na reunião dos 17 ministros de Finanças da zona do euro, segunda-feira (12). Contudo, além do que será ratificado, o grupo “não prevê um acordo” com a Grécia para o desbloqueio de € 31,2 bilhões de euros, um lote do segundo pacote de ajuda acordado pela UE (União Europeia) e pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

Os principais credores da Grécia –Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI– resistem a seguir entregando mais fundos ante os temores de que o país não consiga reduzir a carga da dívida.

A sustentabilidade da dívida grega (120% de seu PIB em 2020) é a condição imposta pelo FMI para seguir no programa de resgate grego.

Devido à demora dos sócios em tomar uma decisão, a Grécia anunciou recentemente que emitirá novas letras, com vencimento de um mês a três meses. Um bom resultado das emissões poderá salvar o país de um default iminente, caso não obtenha a ajuda de seus sócios a tempo.

 

 

Folha de S. Paulo

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br