17 de julho de 2012 - 09:31

Professores de universidades federais completam 2 meses de greve

Nesta terça-feira (17), completa dois meses a greve dos professores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). No Instituto Federal da Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), a greve começou mais tarde, em 5 de junho, e completa 41 dias.  As universidades confirmaram, na segunda-feira (16), que vão esperar o término da greve para planejar as mudanças no calendário de aulas, mas que provavelmente o semestre 2012.2 será estendido aos primeiros meses de 2013. Com a paralisação, cerca de 71 mil alunos estão sem aulas em toda Paraíba.

O pró-reitor de ensino da UFCG, Vicemário Simões, explicou que já foram cumpridos 65 dias letivos de aula. “Temos que completar 100 dias letivos obrigatórios pelo Ministério da Educação. Quando a greve acabar, saberemos quando vamos completar os 100 dias de aula, e aí fazermos as devidas mudanças no calendário de aulas”, disse.

De acordo com a assessoria de imprensa da UFPB, atualmente a instituição tem 42 mil alunos distribuídos nos campi de João Pessoa, Areia, Bananeira, Rio Tinto e Mamanguape. Já a assessoria de imprensa da Adufcg informou que a Universidade Federal de Campina Grande conta com 20 mil alunos. Ou seja, 62 mil alunos sem aulas na UFPB e UFCG. Em junho, uma equipe do JN no Aresteve na Paraíba, pois a UFPB tinha o maior número de alunos sem aula durante a greve dos professores federais.

“Não existe a possibilidade dos alunos perderem o período. As aulas do próximo semestre vão ter que se estender aos primeiros meses de 2013, atrapalhando as férias de verão”, finalizou Vicemário.

A assessoria de imprensa da Pró-Reitoria de Graduação da UFPB informou que 95% dos professores pararam durante a greve, e que “quando o acordo for confirmado, finalizando a greve, as mudanças serão confirmadas. Mas podemos adiantar que os meses de Janeiro e Fevereiro de 2013 vão ser preenchidos com aulas do segundo semestre de 2012”, explicou. O IFPB confirmou através de Adolfo Vágner, do Comando de Greve do instituto, que as mudanças devem acompanhar a UFPB e a UFCG, fazendo com que esses dois meses parados sejam relocados para janeiro e fevereiro do próximo ano. Adolfo Vágner disse que 100% dos professores aderiram à greve.

Professores da UFPB aprovam indicativo de greve para 15 de maio (Foto: Divulgação/Adufpb)Professores da UFPB aprovam indicativo de greve
durante assembleia (Foto: Divulgação/Adufpb)

Reivindicações e proposta do governo
A principal reivindicação dos professores é a reestruturação do plano de carreira. Segundo eles, é muito difícil chegar ao ao topo no modelo atual, que é considerado injusto por eles. Eles também pedem que as gratificações sejam incorporadas ao salário. Em maio, o Governo Federal aceitou acrescentar uma única gratificação, mas não houve acordo.

Na sexta-feira (13), o governo Ministério do Planejamento propôs aos professores das instituições federais de ensino um novo plano de carreira para a categoria. Pela proposta, além da redução dos níveis da carreira, pleiteada pelas entidades que representam os professores, o governo oferece um reajuste que, considerando o salário do docentes em fevereiro deste ano, chegaria a até 45% em três anos, a partir de 2013. Mas o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) recomendou que os professores das instituições federais de ensino rejeitem a proposta feita pelo governo federal.

Os sindicatos locais deverão enviar o resultado das assembleias ao Andes até as 19h de sexta-feira (20). A assessoria de imprensa do Ministério do Planejamento confirmou que o secretário de Relações do Trabalho, Sérgio Mendonça, tem uma reunião agendada com o sindicato às 14h da próxima segunda-feira (23).

 

 

G1 PB

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br