30 de novembro de 2013 - 08:58

China usa caças e aumenta tensão em área em disputa

A China afirmou ter enviado nesta sexta-feira aviões de caça para monitorar aeronaves dos Estados Unidos e do Japão que entraram em sua nova zona de defesa aérea no mar da China Oriental.

O Japão e os Estados Unidos se opõem à decisão da China de alterar unilateralmente, no sábado, seu espaço aéreo e acusam o país de querer escalar as tensões regionais, além de ampliar o risco de confrontos e acidentes.

A zona de identificação de defesa aérea chinesa se sobrepõe ao espaço aéreo japonês e ilhas disputados por China, Japão, Taiwan e Coreia do Sul.

Blefe?

A China afirmou na semana passada que todas as aeronaves que cruzassem essa área deveriam enviar planos de voo e se identificar. Caso contrário, teriam de lidar com “medidas emergenciais de defesa”.

De acordo com o jornalista da BBC News, Charles Scanlon, os Estados Unidos e seus aliados estão, aparentemente, tentando expor o blefe da China em relação ao seu novo perímetro aéreo de defesa.

“Japão, Coreia do Sul e EUA enviaram para a região o que eles chamam de patrulhas, desafiando as ordens chinesas para que as aeronaves se identificassem e mantivessem contato por rádio”, afirma Scanlon.

“A China diz agora que enviou seus caças pela primeira vez para identificar e monitorar intrusos – a primeira indicação de que o país pode estar preparado para arriscar um encontro no ar (com forças estrangeiras).”

A disputa está ameaçando a se transformar, de acordo com Scanlon, em uma guerra de nervos entre os Estados Unidos e seus aliados, para testar as verdadeiras intenções da China e ver até onde o país está disposto a ir para fazer valer essa nova zona aérea.

“A intenção de Pequim com essa medida talvez fosse pressionar o Japão, em relação às ilhas disputadas. Mas acabou arriscando um confronto muito mais amplo com Washington, que permanece sendo a principal potência naval do oeste do Pacífico.”

A China já havia anunciado, na quinta-feira, que iria enviar caças à região para fazer a vigilância e a defesa do local.

Então, nesta sexta-feira, o porta-voz da Força Aérea chinesa, Shen Jinke, anunciou o envio dos aviões de guerra para monitorar dois aviões dos EUA e 10 aeronaves japonesas. Ele afirmou que os jatos acompanharam os voos e identificaram os aviões.

Escalada

Para Alexander Neill, do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos (IISS), a demarcação de uma zona de defesa área representa uma tomada de posição por parte da China que pode trazer riscos para a região.

Ainda segundo Neill, a medida demonstra a determinação do presidente Xi Jinping em defender a integridade territorial do país.

Este é o maior sinal de escalada militar envolvendo a China desde que ele chegou ao poder, há um ano.

Líderes chineses devem se abster de críticas à sua decisão, argumentando que o espaço de defesa aérea japonês se estende sobre o território reivindicado pela China.

A imposição da zona de identificação de defesa aérea da China ecoa um episódio ocorrido em 1996, quando o então presidente chinês Jiang Zemin ordernou uma zona de exclusão aérea e marítima durante uma série de testes com mísseis no norte e no sul de Taiwan.

A declaração de sábado confirma que as ilhas Senkaku (Diaoyu para os chineses) passam para o centro de preocupações da China, sendo incluídas na mesma categoria do Mar do Sul da China e de Taiwan.

 

 

BBC Brasil

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br