24 de julho de 2013 - 10:56

Confrontos deixam 10 mortos em menos de 24 horas no Egito

CAIRO, Qahirah, 23 Jul 2013 (AFP) – O Egito registrou nesta terça-feira uma nova onda de violência que deixou dez mortos em menos de 24 horas em confrontos entre partidários e adversários do presidente islamita deposto Mohamed Mursi.

No plano político, o impasse continua sendo grande, com a Irmandade Muçulmana, movimento de Mursi, convocando mobilizações nas ruas para desafiar as novas autoridades.

Seis pessoas morreram nesta terça-feira de manhã perto da Universidade do Cairo, segundo o Ministério da Saúde, pouco depois de um apelo do presidente interino Adly Mansour por “reconciliação”.

Pelos menos duas delas foram mortas por um homem que abriu fogo contra militantes pró-Mursi.

À tarde, novos confrontos eclodiram brevemente no mesmo setor. Cerca de quinze veículos foram queimados e rastros de sangue podiam ser vistos no chão, segundo um jornalista da AFP.

O entorno da universidade, perto do centro da cidade, é um dos locais ocupados permanentemente pelos islamitas há cerca de três semanas, assim como as imediações da mesquita de Rabaa al-Adawiya, no nordeste do Cairo.

Outros quatro egípcios foram mortos na noite de segunda-feira – três na cidade de Qaliub, na periferia norte da capital, e um no Cairo, perto da Praça Tahrir.

Cerca de 150 pessoas perderam a vida em choques ligados a questões políticas depois das grandes manifestações exigindo a saída de Mursi, no final de junho.

Pelo menos quarenta morreram durante esse período na região do Sinai, na fronteira com Israel e a Faixa de Gaza, principalmente em ataques contra o Exército e a Polícia, ou em operações militares contra radicais islamitas.

Em um comunicado, o Ministério do Interior pediu aos egípcios que, qualquer que seja sua filiação, “manifestem sua opinião pacificamente”.

Os partidários de Mohamed Mursi exigem o seu retorno após a sua deposição pelo Exército, no dia 3 de julho. Eles denunciam um golpe contra o primeiro presidente democraticamente eleito no Egito.

Seus críticos consideram que ele perdeu sua legitimidade por ter governado em benefício de seu movimento.

As organizações de defesa dos direitos humanos Human Right Watch (HRW) e Anistia Internacional lançaram um alerta frente ao aumento da violência contra a comunidade cristã copta (6 a 10% da população), criticando a polícia por sua inércia.

Desde 3 de julho, “pelo menos seis ataques contra cristãos foram registrados em diversas cidades do Egito”, indicou a HRW.

O ataque mais grave ocorreu em 5 de julho em Naga Hassan, perto de Luxor (sul), onde quatro cristãos foram agredidos até a morte, indicou a HRW.

As autoridades de transição mantiveram a aplicação de seu plano político para o período pós-Mursi, com a nomeação do ministro encarregado da Reforma Administrativa, Hani Mahmud, após os preenchimentos das vagas na Justiça e nos Transportes, completando a equipe governamental, que teve sua formação iniciada há uma semana.

O novo governo também iniciou o processo de revisão da Constituição que havia sido adotada durante a administração Mursi, preparando o terreno para a realização de eleições legislativas no início de 2014, e depois de uma presidencial.

 

 

UOL

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br