5 de julho de 2013 - 09:31

De volta à Bolívia, Evo Morales acusa Estados Unidos de intimidação

Depois de um voo de 17 horas entre Viena e La Paz e 14 horas parado no aeroporto da capital austríaca aguardando autorização para trafegar no espaço aéreo europeu, o presidente da Bolívia, Evo Morales, finalmente chegou ao seu país no início da madrugada de ontem. O boliviano atribuiu o incidente a uma conspiração orquestrada pelos EUA e disse que analisará o fechamento da embaixada americana em La Paz.

Abatido pela longa viagem, o presidente foi recebido como herói no aeroporto de El Alto, afirmando que “alguns países da Europa têm de se libertar do império americano”. Portugal, França, Espanha e Itália impediram a passagem sobre seus territórios do avião que trazia Evo da Rússia, segundo o governo boliviano, em razão da desconfiança de que o ex-agente americano Edward Snowden – que revelou à imprensa detalhes sobre a espionagem dos EUA e é procurado pelas autoridades do país – estivesse a bordo.

“Não vão nos assustar porque somos um povo que tem dignidade e soberania”, disse Evo diante de dezenas de correligionários que o esperavam no aeroporto, que cobriram o presidente com colares de flores, cachecóis tradicionais indígenas e papel picado.

Quando estava na Rússia para uma reunião de países produtores de gás natural, Evo declarou que analisaria um pedido de asilo político feito por Snowden. Horas depois de chegar à Bolívia, ele afirmou que não aceitará meros pedidos de perdão sobre o incidente diplomático.

“A posição firme que vamos assumir no governo nacional é se fazer respeitar, ante os organismos internacionais, as normas, os tratados internacionais. Não bastam somente as desculpas de algum país que não nos permitiu passar pelo seu território”, disse Evo.

Na quarta-feira, o presidente da França, François Hollande, a gafe diplomática a “informações contraditórias”, afirmando que, quando a presença de Evo foi confirmada na aeronave, sua passagem foi garantida. O chanceler francês, Laurent Fabius, lamentou o “contratempo”. Os outros países que proibiram a passagem da comitiva boliviana, até ontem, não haviam comentado o incidente..

Cúpula. Em Cochabamba, a União de Nações Sul-Americanas fez ontem uma reunião para apoiar a Bolívia com a presença dos presidente de Argentina, Equador, Venezuela, Uruguai e Suriname, além de Evo.

“Um ministro de um país europeu me disse pessoalmente que pediriam desculpas porque foram informados pela CIA de que Snowden estava a bordo”, disse o venezuelano Nicolás Maduro, que prometeu rever as relações de seu país com a Espanha.

“Pelo menos uma vez na vida, espero que peçam perdão pelo que fizeram”, afirmou a argentina Cristina Kirchner. Segundo Evo, seu governo estudará o fechamento das representações diplomáticas dos EUA no país para evitar uma “conspiração interna”. “Não precisamos de uma embaixada americana na Bolívia”, disse.

 

 

Estadão com AP e EFE

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br