17 de junho de 2013 - 08:45

Rowhani defende programa nuclear do Irã, mas promete transparência

O presidente eleito do Irã, Hasan Rowhani, descartou nesta segunda-feira que o país abandone o programa nuclear em seu mandato, embora tenha prometido mais transparência ao processo. Ele também pediu o fim das sanções econômicas ao país, que considera “injustas e injustificadas”.

Em sua primeira entrevista coletiva desde sua vitória nas urnas, na sexta (14), o futuro mandatário disse que seguirá um caminho de moderação política, em oposição ao extremismo do que chamou de “políticas do passado”.

Hassan Rowhani (dir.) visita o líder supremo do Irã, Ali Khamenei, no domingo; presidente eleito defende programa nuclear
Hassan Rowhani (dir.) visita o líder supremo do Irã, Ali Khamenei, no domingo; presidente eleito defende programa nuclear

A declaração é feita dias após países ocidentais anunciarem intenções de retomar as relações com o Irã, como uma forma de conseguir o relaxamento do programa nuclear. Os países estão cautelosos sobre o alcance que poderá ter a vitória do moderado Rowhani, diante da influência do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei.

Para o presidente eleito, é necessária uma relação com as potências baseada na transparência e na confiança mútua entre os dois lados. Dentre um dos pontos de abertura, defendeu revelar mais informações sobre o enriquecimento de urânio e o programa nuclear iraniano.

“Nossos programas nucleares são completamente transparentes, mas estamos prontos para mostrar ainda mais transparência e deixar claro para todo o mundo que os passos dados pelo Irã estão completamente de acordo com os padrões internacionais”, afirmou.

Por outro lado, defendeu o enriquecimento de urânio realizado por Teerã e chamou as sanções impostas pelos Estados Unidos e a União Europeia como injustas. Rowhani ainda pediu aos americanos que não interfiram na política interna iraniana e disse que a relação entre os dois países ainda “tem feridas difíceis de curar”.

ELEIÇÃO

De acordo com resultados definitivos, Rohani, 64, obteve 50,68% dos votos válidos, ou o apoio de 18,6 milhões de pessoas. Ele bateu os conservadores Mohammad Qalibaf, prefeito de Teerã, e o chefe das negociações nucleares, Said Jalili, candidato de Ali Khamenei.

Após uma campanha morna, este aliado do ex-presidente moderado Akbar Hashemi Rafsanjani, foi beneficiado pela desistência do reformista Mohammad Reza Aref e recebeu o apoio na terça-feira do líder dos reformistas, Mohammad Khatami.

Durante a campanha, defendeu maior abertura econômica e mudanças na política externa para lidar com a crise financeira no país, que causa desvalorização da moeda local, o rial, e desemprego.

Desde o ano passado, o petróleo iraniano sofre embargo da União Europeia, dos Estados Unidos e de outros países aliados, como a Coreia do Sul e a Austrália.

Contudo, a vitória do candidato apoiado pelos campos moderado e reformista não significa uma guinada na política da República Islâmica em temas estratégicos como o nuclear ou as relações internacionais, que estão sob a autoridade direta do guia supremo Ali Khamenei.

 

 

Folha de S. Paulo

Outras Notícias

Últimas Notícias

© Copyright 2012 Portal Pedra Bonita - Email: contato@portalpedrabonita.com.br